Nós levamos abuso muito a sério. Ativistas e setores de fiscalização da lei usam o Tor para investigar abuso e ajudar a dar apoio para os sobreviventes. Nós trabalhamos com eles para ajudá-los a entender como o Tor pode ajudá-los a fazerem seu trabalho. Em alguns casos, erros de tecnologia são feitos e nós ajudamos a os corrigir. Porque algumas pessoas em comunidades de sobreviventes adotam o estigma ao invés da compaixão, buscar por apoio de outras vítimas necessita de tecnologia que preserve a privacidade.

Nossa recusa em construir "backdoors" e censura no Tor não é devido uma falta de preocupação. Nós recusamos a enfraquecer o Tor porque isso poderia comprometer esforços para combater o abuso infantil e o tráfico humano no mundo físico, e também removeria espaços online seguros para vítimas. Enquanto isto, criminosos continuariam a ter acesso a botnets, telefones roubados, hospedagem de contas hackeadas, o sistema postal, mensageiros, oficiais corruptos e qualquer que seja a tecnologia que surja para a troca de conteúdo. Eles são os primeiros a adotar novas tecnologias. Dito isso, é perigoso para os reguladores assumirem que bloquear e filtrar é o suficiente. Nós estamos mais interessados em esforços de ajuda para interromper ou prevenir abuso infantil do que ajudar políticos a ganhar pontos com o eleitorado ao esconder isto. O papel da corrupção é especialmente problemático; veja esse relatório das Nações Unidas sobre O Papel da Corrupção no Tráfico de Pessoas.

Finalmente, é importante considerar o mundo que as crianças irão encontrar quando forem adultas quando estivermos implementando políticas em seus nomes. Eles irão nos agradecer se não forem capazes de dizer suas opiniões seguramente como adultos? E se eles estiverem tentando expor uma falha do Estado em proteger outras crianças?